Candeias

Candeias é um povoado que obteve o reconhecimento como Comunidade Quilombola em 2018 junto à Fundação Palmares em 2018. Não obstante, nos últimos anos a identidade tradicional vem sendo solapada pelo avanço do neopentecostalismo e alienação fundiária/especulação imobiliária. O principal impacto no âmbito da cultura material é a demolição das casas tradicionais, localizadas na rua principal e que possuem um padrão estético e de assentamento específico(madeira e pau a pique), correspondendo ao sítio original de ocupação dos quilombolas.

A Igrejinha de Nossa Senhora do Rosário está localizada no final desta rua íngreme. Foi construída em meados do século XX e o estado de suas edificações inspira cuidados. Possui centralidade na celebração da tradicional Festa de Nossa Senhora do Rosário, que anualmente atrai centenas de devotos de todo o município, animada pela Marujada comandada pelo Sr. Chiquito. Importante registrar que esta manifestação existia em praticamente todos os distritos de Conceição do Mato Dentro, mas que progressivamente, devido ao descaso do poder público e ausência de ações de salvaguarda, foram entrando em ruínas e se extinguido. Neste contexto, a Marujada de Candeias-Parauninha é a única ativa na zona rural da cidade, tendo inclusive incorporado Marujos de outros distritos como Três Barras, Tabuleiro, etc.

Sr. Chiquito comanda a Marujada de Candeias em frente à Igreja de N. Sra. do Rosário.
(Júlio Jader,2015).

Iniciativas culturais interessantes tem sido protagonizadas por moradores que elegem Candeias como lugar para se viver. A mais destacada é o Espaço Borum/Museu dos Povos do Espinhaço, que reúne uma gama de artefatos coletados entre os habitantes da região, variando de instrumentos líticos até objetos típicos do período colonial. Afirmando como Missão resgatar a ancestralidade dos povos que ocuparam o Espinhaço, associando-os com elementos cosmológicos do neoxamanismo/Nova Era e tendo a musicalização (tambores) como eixo central de atuação, o portfólio inclui rituais, apresentações culturais e atividades de lazer com trilhas interpretativas que incluem em seu trajeto grutas (sítios extrativistas) e arte rupestre.

Espaço Borum/Museu dos Povos do Espinhaço. Foto Facebook Daniel Otechar (2014)

Outra riqueza que merece destaque em Candeias é a agricultura familiar. Os quintais se caracterizam pela diversidade dos cultivos associados a formas de produção mista. A Folhinha Mariana, que reúne informações sobre todos os dias santos e luas do ano e indica as ocasiões mais apropriadas para o plantio/ colheita é instrumento invariável dependurada nas salas das residências. Mandioca, milho, cana-de-açúcar, café e vários tipos de feijão são cultivados mais disseminados. Parte das residências possuem casas de torrar farinha, outras realizam o processo em um espaço dentro da cozinha. Também são identificados alambiques e produção de cachaça. O café é torrado e socado no tradicional pilão, sendo comum a adição de uma erva medicinal chamada fedegoso (Fabaceae) junto aos grãos, dizem que é bom para pressão alta, mas que junto com oração para São bento é também remédio para a picada de cobra. Além de contribuir para a própria segurança alimentar, o milho serve de ração para os animais. Animais de pequeno porte como galinhas (e outras aves) e porcos são comuns. Alguns quilombolas possuem rebanhos com poucas cabeças, por meio dos quais suprem a demanda de leite para a produção de queijos e derivados. Com relação aos animais domésticos, além de guardas eficientes os cachorros são tradicionalmente auxiliares nas caçadas, cada vez menos frequentes devido às restrições da legislação ambiental, que causou impactos ainda maiores nas culturas de várzea, devido à proliferação das capivaras. A proibição de queimadas controladas (mato molhado) e a delimitação de áreas de preservação ambiental desestimulou o plantio em áreas localizadas no meio da serra. Soma-se a este quadro a este quadro a diminuição do volume hídrico. Mais recentemente, a introdução de caixas de apicultura e tanques de piscicultura remete para atividades de coleta de mel (nas lapas) e pesca que antigamente eram comuns entre os quilombolas. Mas, o extrativismo continua definindo o caráter tradicional da comunidade. Nas encostas proliferam complexos de mata-atlântica/candeal. Um registro de memória sobre o uso do óleo de candeia indica que era prescrito para machucados (em animais). Muitas espécies ervas medicinais ainda proliferam na serra, sendo a arnica a de uso mais consagrado. Vários tipos de palmeiras oferecem uma variedade de cocos como indaiá, macaúba e coco canela. O modo de transporte por tropas não foi totalmente abandonado. Além dos burros, alguns possuem cavalos, tais animais continuam imprescindíveis na travessia de trilhas que ligam localidades onde ainda é precário ou ausente o acesso de veículos automotores. A participação nas cavalgadas, geralmente associadas aos festejos do catolicismo popular, configura-se como momento simbólico de reafirmação de identidade e tradição, envolvendo sobretudo os homens. No tocante os conhecimentos das propriedades curativas das plantas, a a preservação e transmissão desses conhecimentos tem sido reservado majoritariamente às mulheres. E é entre elas que identificamos práticas transgeracionais associadas ao universo da benzeção.

A posição privilegiada de Candeias oferece vista para uma paisagem impressionante e de rara beleza. Do alto do povoado se pode mirar a amplitude do vale do Rio Parauninha e monumentos naturais suntuosos como a Cachoeira Rabo de Cavalo e o Cânion Peixe de Tolo.

Vista da paisagem exuberante do vale da Parauninha,
desde o alto da Rua Principal de Candeias (Júlio Jader, 2015).







Elaboração: Júlio Jader Costa. Grift Espinhaço 2019. Colaborou Eduardo Sorice

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *